3

Mensagem

 A moça que dizia palavras duras

Veio até Anjali uma moça com o rosto ruborizado e com o corpo trêmulo. E disse:

-Ofendi um amigo com palavras que eram não só descorteses como também mentirosas. E minha voz era agressiva como um trovão no céu. Diga-me como é que posso reverter o erro cometido.

Anjali pegou uma folha de papel vermelho e o recortou em 64 partes que deu a jovem dizendo:

-Vá e espalhe isso rua abaixo.

A moça fez o que lhe fora dito. Logo que terminou de esparramar os recortes de papel, uma forte lufada de vento soprou-os de um lado para o outro, até fazê-los perderem-se de vista.

Quando a garota voltou, Anjali lhe disse:

-Minha filha, agora vá e traga de volta os pedacinhos de papel.

A moça  foi até a rua em busca daqueles pedacinhos de papel, mas, por mais que o quisesse fazer, não conseguiu encontrar um só deles. Depois de uma procura inútil, retornou a Anjali, dizendo-lhe:

-Não consigo encontrar um só pedaço de papel.

E Anjali:

-É isso que acontece com as palavras que você diz. Nem bem elas escapam de seus lábios e já se esparramam, perdendo-se para sempre . Por mais que você queira, jamais conseguirá trazê-las de volta. Portanto, tenha cuidado com suas palavras. Antes de falar, seja lá o que for, certifique-se de que o que você está para falar é melhor que o silêncio; caso contrário, mantenha-se calada(o). Observe essa simples regra e não terá de que se arrepender. Se você quer dar testemunho da verdade, permaneça em silêncio. A verdade é sempre silenciosa. Aquele que muito fala, afasta-se da verdade. Os que comungam da verdade sõa silenciosos.


Retirada do livro:

O bem que você planta, você colhe
         J.P Vaswani
        






3 comentários:

Graziella disse...

Olá Joana....
passando p fazer uma visitinha e deixar um bjo carinhoso....
ótimo feriadao p ti...... :)

Arione Torres disse...

Oi querida Joana, cadê você? Estou sentindo a sua falta. Querida, tenha uma ótima semana, desejo muito sucesso para o seu blog, gosto muito de você viu? Bjus...

soninha disse...

Pois é! As palavras só nos pertencem enquanto não as pronunciamos...beijinhos